Compartilhar:

Blog

Hipertensão é a principal causa de morte materna no país

Hipertensão é a principal causa de morte materna no país

A hipertensão é a principal causa de morte materna no país, seguida da hemorragia e da infecção, segundo a ginecologista obstetra Rossana Francisco, chefe do setor de Endocrinopatias e Gravidez do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Nesta terça-feira (28) comemora-se o Dia Nacional de Luta pela Redução da Mortalidade Materna. “É preciso que toda a população, tanto médica quanto familiares, esteja atenta ao diagnóstico de hipertensão. Qualquer sintoma relacionado ao aumento da pressão, como dor de cabeça e inchaço nas pernas, a paciente deve procurar o serviço de saúde”, afirma.

“A pré-eclâmpsia, que é uma das formas da hipertensão na gravidez, é a responsável pela maior parte das mortes e esses são os sinais dessa doença. Muitas vezes a mulher não é diagnosticada e ela tem a eclâmpsia, que é convulsão da hipertensão”, acrescenta.

Ela explica que, mais importante do que ter o aparelho de pressão em casa, é ficar atenta a esses sintomas.

Segundo ela, a melhor forma de prevenir a hipertensão na gravidez é o acompanhamento pré-natal. Algumas pacientes que já têm a doença terão que usar medicamento para contralar a pressão de acordo com a recomendação médica.

Considera-se hipertensa a pessoa que apresenta pressão arterial em repouso igual ou acima de 14 por 9 (140mmHg X 90mmHg).

A pressão alta faz com que o coração tenha que exercer um esforço maior do que o normal para que o sangue seja distribuído para o corpo por meio dos vasos sanguíneos.

Em 2016, último boletim do Ministério da Saúde, 1.841 mulheres morreram durante a gestação, no parto ou 42 dias após o parto. Segundo a pasta, cerca de 92% das mortes maternas ocorrem por causas evitáveis.

A meta estabelecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) ao Brasil era que o país chegasse à taxa de 35 mortes a cada 100 mil nascidos vivos em 2015, no entanto foi de 62 por 100 mil nascidos vivos e, em 2016, 64.

“A morte materna é um indicador muito sensível de qualidade e de acesso à saúde. Sempre que há muita morte materna, temos que ficar atento porque pode estar acontecendo uma piora da qualidade da saúde”, afirma.

Preocupada com esses índices, a Associação de Ginecologistas e Obstetras montou no ano passado um curso gratuito para capacitação de médicos em relação às três principais causas de morte materna, de acordo com Rossana.

Ela ressalta que a hipertensão na gravidez está mais ligada ao aumento da obesidade no Brasil do que às gestações acima dos 40 anos. “A maternidade tardia aumenta a frequência de doenças hipertensivas, a hipertensão crônica. Mas não há estudo que comprove que esse aumento de idade tenha impacto na morte materna no país”.

Fonte: R7

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *